Comissão Federal do Comércio dos EUA investiga exibição de anúncios do Google

Comissão Federal do Comércio dos EUA investiga GoogleA Comissão Federal do Comércio dos EUA (FTC) iniciou uma investigação sobre o negócio de exibição de anúncios do Google, em meio a reclamações dos rivais de que a empresa abusa de seu poder na forma como vende os anúncios online e em vídeo.

O exame, que tem sido relatada no The Wall Street Journal e outros meios de comunicação, diz respeito a um processo de agrupamento de serviços relacionados a anúncios conhecido como “venda casada”. Alguns dos rivais de publicidade de tecnologia do Google se queixaram às autoridades antitruste dizendo que a empresa tem agregado esses serviços de publicidade para que editores de sites tenham de usar todos em vez de apenas um serviço do Google, dizem as reportagens.

A FTC e o Google se recusaram a comentar sobre o assunto. A investigação da FTC ainda está em seus estágios iniciais, dizem as reportagens, e provavelmente não resultará em uma análise formal. O inquérito relatado aparece apenas alguns meses depois de o Google resolver um caso antitruste diferente com a FTC sobre seu mecanismo de busca e seu negócio de busca de anúncios.

Depois da investigação de 19 meses, o Google concordou em parar com certas práticas de pesquisa, tais como “varrer” conteúdo web de rivais e supostamente passar como seu próprio. A exibição de publicidade compreende vídeos, textos, imagens e outros anúncios interativos que aparecem nos dispositivos desktop e móveis.

Na exibição de anúncios, a tecnologia de publicidade do Google, DoubleClick, fornece seu serviço para editoras, agências e outros anunciantes. A companhia de Mountain View adquiriu a tecnologia, que cria um mercado de leilões para a negociação de espaços de exibição de anúncios, em 2007.

A gigante das buscas gera a maior parte de sua receita por meio da publicidade. Seus sites de anúncios trouxeram vendas de mais de 31 bilhões de dólares em 2012; a receita total da empresa foi de 46 bilhões de dólares.

Fonte: IDG Now

Avalie este artigo

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA