Sites de compras coletivas devem movimentar R$ 800 mi

Projeções iniciais feitas por empresas que trabalham com sites de compras coletivas pela internet apontam que esse mercado deverá ter um faturamento de R$ 800 milhões este ano no Brasil, mas a explosão dessa nova modalidade de aquisição de produtos e serviços poderá elevar significativamente essa cifra, de acordo com avaliação de especialistas que participaram de painel sobre o assunto, nesta quinta-feira, 17, no WebExpoForum, evento promovido pela TI Inside e realizado pela Converge Comunicações.

Apenas no mês de fevereiro, estima o presidente do site de compras de coletivas ClickOn, Marcelo Macedo, esse mercado movimentou cerca de R$ 55 milhões, cifra que, segundo ele, tem crescido ao menos 15% ao mês. Já Florion Otto, presidente do Groupon Brasil, site de compras coletivas que atua em mais de 500 mercados no mundo, é mais otimista e acredita que o crescimento mensal deve ficar entre 20% e 30%.

A expansão acelerada da atividade de compras coletivas é confirmada por números da e-bit. Levantamento feito pela empresa de monitoramento de comércio eletrônico revela que, apesar dessa modalidade de e-commerce existir no país há apenas um ano, 61% das pessoas já têm conhecimento sobre o seu funcionamento, sendo que 49% delas já compraram algum produto ou serviço por intermédio de sites de compras coletivas.

Além disso, do total de pessoas que já utilizaram esses serviços, 82% disseram que pretendem recorrer as eles novamente. Outro dado que chama a atenção é que dos 51% das pessoas que ainda não fizeram nenhuma compra nesses sites, 68% têm interesse em utilizá-los.

Segundo a consultoria, atualmente existem cerca de 400 sites de compras coletivas em operação no país, número que sobre para mil quando são computadas também as empresas start-up.

Mercado de sites de compras coletivas ainda concentrado

Análise da GMattos, apresentada pela diretora de marketing do Paypal, Adriana Bello, mostra que atualemnte são realizadas 2,5 milhões a 3 milhões de vendas, em média, por mês, por meio de sites de compras coletivas. O estudo prevê que o mercado deve passar por um intenso processo de consolidação, com o grosso da receita ficando nas mãos de poucas, e grandes, empresas.

Uma outra tendência para este mercado é a da lançamento de franquias em 2011. O consultor do Curso de E-Commerce, Alberto Valle, afirmou que as operações de compra de pequenos sites de descontos por players maiores, com objetivo de se instalarem em praças em que ainda não possuem operações, também deverá movimentar bastante o mercado. “O momento é de acomodação no mercado e novas oportunidades deverão surgir, como a possibilidade de aquisição de franquias e a segmentação dos sites de compras coletivas” confirmou Alberto Valle.

O presidente do ClickOn ressalta que a principal função dos sites de compras coletivas é levar para os pontos físicos de vendas os consumidores virtuais, à medida que eles somente fazem a venda de cupons para que o consumidor vá até o estabelecimento para adquirir o bem. “Para algumas indústrias, vai servir somente como um canal de vendas, mas para a grande maioria representará um gerador de publicidade e de visibilidade da marca”, afirma Marcelo Macedo.

Redes sociais impulsionam os negócios

Um dos grandes impulsionadores desse mercado, segundo ele, são as redes sociais, que ajudam a difundir os sites e as ofertas. Macedo observa que esse respaldo das redes sociais fortalece o marketing viral e pode garantir publicidade a um baixo ou até nenhum custo, gerando mídia espontânea e qualificada.

O modelo de negócio dos sites de compras coletivas é baseado no repasse de um percentual da venda do serviço ou produto. Dessa forma, Macedo chama a atenção para a importância “modelar” a oferta com o parceiro de negócio para gerar uma experiência positiva para o consumidor.

Por Victor Hugo Cardoso Alves

Faturamento em alta nas Compras Coletivas
Avalie este artigo

1 COMENTÁRIO

  1. Este mercado continua em crescimento impressionante! E acredito que este crescimento irá continuar durante 2011. Com o índice de ‘aprovação’ de 82% e 51% dos internautas nem experimentaram a facilidade e comodidade deste comércio online, 2011 será outro ano de grande evolução!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here