O varejo e seu conflito intrassetorial

O varejo e seu conflito intrassetorialNo Brasil, o comércio eletrônico e o físico ainda não se complementam: enfrentam-se! A recente proibição da cobrança diferenciada de frete quando da entrega agendada para consumidores paulistas e o recolhimento adicional de ICMS por parte de alguns estados da federação exemplificam a inadaptação das instituições e do setor à introdução da venda não-presencial.

Entre tantos fatores explicativos do conflito entre os canais físicos e on-line, destacam-se a desvalorização do ponto de venda devido à perda da reserva regional de mercado; a ausência de sistemas de informação capazes de controlar ambos os canais; o aumento da participação de mercado do comércio eletrônico, e, o mais ameaçador, sua expressiva expectativa de crescimento (superior a 25% ao ano, em média).

Além disso, os fatores-chaves de sucesso do varejo tradicional são insuficientes no e-commerce. Do ponto de vista cultural, as alterações na estrutura dos investimentos e competências têm sido, naturalmente, foco de grande resistência. Já sob o prisma organizacional, a principal questão refere-se à gestão do estoque e seu compartilhamento: se os dois canais disputam o mesmo estoque, perde-se o controle. Uma forma interessante de quantificar o custo das dificuldades do varejo tradicional em operar simultaneamente nos dois canais pode ser observado pela redução de sua margem resultante da terceirização dos serviços específicos para vender através da Internet.

Nesse ponto, os intermediários (shoppings e marketplaces) levam muitas vantagens devido à barreira à entrada das pequenas lojas físicas no comércio eletrônico. Os shoppings virtuais cobram perto de 15% da receita bruta em troca dos serviços de marketing, segurança na autenticação do cliente e procedimento de pagamento via cartão ou boleto. Tal redução é bem maior quando inclui serviços logísticos. Concluindo, o avanço do e-commerce é inexorável, e a síntese entre os canais, inevitável, apesar de muito lenta ainda e conflituosa.

O varejo e seu conflito intrassetorial
Avalie este artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here