As plataformas de e-commerce precisam ser tão caras assim?

As plataformas de e-commerce precisam ser tão caras assim?

As plataformas de e-commerce precisam ser tão caras assim?É cada dia maior o número de pequenos e médios empresários que reclamam dos altos preços cobrados por plataformas de e-commerce no Brasil. Isso me faz lembrar um artigo que escrevi há alguns anos sob o título “Elitização do e-commerce brasileiro” alertando sobre a movimentação que já vinha percebendo no segmento. Passados dois anos parece que o que eu previa está se confirmando.

É claro que a elevação dos preços das plataformas de e-commerce é um reflexo natural da boa e velha Lei da Oferta e Procura. O e-commerce brasileiro cresce há mais de cinco anos a uma taxa média de 25% ao ano e as perspectivas são de manter esse crescimento durante um bom tempo. Diante deste cenário era de se esperar uma elevação nos preços das plataformas, mas o que se verificou foi uma verdadeira explosão.

Um tiro no pé do jovem mercado do e-commerce brasileiro

No afã de fechar novos contratos e garantir polpudas comissões, muitas empresas se esquecem de um dos itens mais básicos para quem está abrindo um negócio, seja ele físico ou virtual, é a viabilidade econômica do projeto.

Ao oferecer soluções super dimensionadas e por que não dizer CARAS, aos pequenos e médios empresários que os procuram, estes fornecedores de plataformas de e-commerce estão passando uma mensagem muito simples e direta aos novos empreendedores: Este negócio não é para você!

A grande arte da venda não é o lucro. Este se consegue facilmente com um negócio bem estruturado e estratégia adequada. O difícil mesmo é cativar o cliente e transformá-lo em um cliente recorrente. Se a empresa fornecedora da plataforma pode desenvolver um produto a um preço mais acessível, para disponibilizá-lo como um Entry Level, por que bater na tecla de que uma plataforma de e-commerce precisa ser cara?

Se o fornecedor não consegue oferecer nada mais acessível, me desculpem, mas o nome disso é estratégia equivocada, pois como programador e também empresário, sei que existem sim formas de baratear os sistemas. Obviamente não será um sistema de ponta, mas certamente podemos criar soluções de e-commerce que satisfaçam às necessidades de uma loja virtual no momento do seu nascimento.

Preço é uma coisa e valor é outra

Repare que quando falo dos preços elevados de algumas soluções de plataformas de e-commerce no Brasil estou me referindo à Mais-Valia e não necessariamente ao valor real. É claro que para se desenvolver uma boa plataforma de e-commerce é necessário um alto investimento em tecnologia, seja na área do desenvolvimento e programação ou no que diz respeito à hospedagem em um provedor de alto desempenho.

O retorno do investimento em pesquisa e desenvolvimento se obtém com o ganho de escala e não em uma estratégia onde se aproveita o bom momento do mercado para ter esse retorno no menor prazo possível. Essa prática em um primeiro momento afasta o empresário que está no momento de escolha da plataforma de e-commerce e em um segundo momento irá afastar o futuro cliente da plataforma.

A viabilidade de soluções mais baratas

Quando em nosso curso de e-commerce as pessoas descobrem que podem criar lojas virtuais por um preço bem menor que as verdadeiras montanhas de dinheiro cobradas por algumas empresas, a reação imediata é de revolta com as empresas que lhes disseram que para ter uma loja virtual seria necessário gastar uma verdadeira fortuna.

Mais revoltadas ainda, quando descobrem que dependendo da exigência técnica do negócio, é possível até mesmo criar uma loja virtual usando o WordPress. Mais uma vez as regras da boa e velha economia voltam a ditar o ritmo dos negócios, com produtos e serviços com preços exorbitantes sendo substituídos por soluções menos sofisticadas, mas economicamente viáveis.

Qual o resultado disso? Em um futuro próximo, quando os negócios estiverem indo bem e as exigências de expansão, as forçarem a procurar uma plataforma mais robusta, certamente evitarão as empresas que lhes apresentaram propostas megalômanas e com preços altíssimos.

Talvez esteja na hora de alguns fornecedores de plataformas de e-commerce repensarem suas estratégias para não matarem a galinha dos ovos de ouro ou então abrirem as portas para soluções estrangeiras entrarem no mercado brasileiro e forçarem a queda dos preços, arruinando assim nossa jovem indústria que gravita em torno do comércio eletrônico.

Fonte: Blog do Curso de E-commerce

Plataformas de e-commerce precisam ser tão caras?
Avalie este artigo

1 COMENTÁRIO

  1. Vejo essa discussão por outro ângulo – o do comerciante online já estabelecido:

    Comecei minha loja online numa plataforma barata, porém limitada e sem suporte efetivo. Logo no primeiro ano percebi que havia errado, mas por já ter digitado centenas de produtos fui ficando… No terceiro ano trabalhava eu e mais dois funcionários (custo) e mesmo assim tínhamos muitos clientes insatisfeitos pois o programa não controlava estoques, promoções, prazos e várias outras coisas de forma efetiva.

    Quando resolvi passar para uma plataforma mais robusta o custo dessa transição foi muito, muito, alto, porém hoje trabalho com apenas 1 funcionário e poderia mesmo trabalhar sozinho com muito mais resultado que antes – tanto em termos financeiros quanto de retorno dos clientes.

    Olhando para trás, percebo que perdi muito faturamento e mais de 3 anos de trabalho por ter preferido uma plataforma de baixo custo.

    Então, como qualquer empreendimento, uma loja online é uma aposta: Anzol pequeno – peixes pequenos / Anzol grande – peixes grandes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here