A psicologia do Email Marketing
A psicologia do Email Marketing

A psicologia do Email Marketing

A psicologia do Email Marketing
A psicologia do Email Marketing

Campanhas de e-mail marketing podem desencadear uma resposta emocional de suas campanhas, partindo de princípios básicos de cognição.

A mente humana é um universo fantástico. Apesar de altamente misterioso, a logística de observação e diagrama de pensamentos que o cérebro é capaz de fazer, funciona a modo ilustrado, como um circuito recheado de sensores que conseguem captar diversas situações e resolvê-las naturalmente. Imagine que os robôs mais maneiros que vocês conheçam têm uma inteligência bastante trabalhada que não corresponde a 0,002% da capacidade mental humana.

A cognição de percepção gráfica-visual é um fator interessante, pois podemos conectar ideias com outras pessoas através de um compartilhamento simbólico, seja uma figura, música, qualquer outro fator que desperte atenção.

O principio de um bom e-marketing vem do básico do homem moderno: temos tantas decisões a tomar em uma base diária que seria impossível para nós tomar uma decisão completamente formada e centrada para cada atividade, seja relacionada ou não.

Isso o marketing nos ajuda, economizando tempo em pensar, sendo atraídos pelo magnetismo do consumismo e de demais fatores que nos levam a seguir / comprar / adquirir alguma coisa por intermédio de um veículo publicitário.

Pode até parecer um estudo complexo demais para ser aplicado em um simples email marketing, mas não: mais de 20 bilhões de emails são trocados diariamente e a caixa de entrada de alguém é uma ótima conexão para aplicar uma boa estratégia de marketing, pois está ali, no conforto do mundo pessoal de quem está vendo. Você pode simplesmente abrir um email e fazer um julgamento sobre ele, seja bom ou ruim.

O segredo está na resposta emocional naquele tempo limitado de um ou dois minutos que a pessoa clica e rola no conteúdo presente. Aí você tem sua criatividade para trabalhar uma campanha que a prenda na página, através de textos-âncora, imagens bem trabalhadas e toda a filosofia do design que envolve cores, tipografia e organização hierárquica da informação.

A resposta à leitura depende totalmente do conteúdo presente. Dependendo do grau, ela pode ser vista expressivamente. Imagem: sociopathworld.com

Alguns processos cognitivos-imperceptíveis que funcionam:

Linguagem apropriada

Antes de tudo, é necessário considerar a linguagem que você está usando, especialmente na linha do assunto (cabeçalho). O sucesso desta chave é totalmente dependente de seus próprios destinatários, então um bom título sempre causa uma boa chamada.

Cores

Considere as cores e o estilo que você está usando em suas campanhas. Lembre-se que as cores acionará completamente diferentes respostas emocionais com as pessoas. Por exemplo, um preto fosco pode ser visto como uma cor muito forte e fino e é associado com produtos de luxo. Azul é visto como confiável e profissional, sendo usado em muitos casos por bancos ou instituições financeiras para transmitir essa mensagem.

Imagens relevantes

Certifique-se que todas as imagens são claras, juntamente com todos os links. Se você estiver usando muitas imagens que não têm nenhuma influência sobre o conteúdo, nada irá funcionar.

Você já deve conhecer o público que você está tentando se conectar, assim fica mais fácil descobrir o que você acha que vai desencadear uma resposta emocional com eles, mas o mais importante é a técnica de testar tudo e, em seguida, testar novamente.

Embora existam regras gerais sobre as cores que irá funcionar melhor para diferentes públicos e que tipo de linguagem é a melhor forma de usar, a única maneira em que você vai realmente descobrir como seus destinatários se envolverão com o e-mail é tentar coisas diferentes e medir os resultados. Faça isso e os resultados serão otimizados e filtrados cada vez mais, para diferentes públicos.

Por Lucas Haas

A psicologia do Email Marketing
Avalie este artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here