A vez dos agregadores de lojas virtuais

Agora é a vez dos sites agregadores de lojas virtuais

A vez dos sites agregadores de lojas virtuaisO brasileiro se rendeu às compras pela internet. Já existem mais de 4 mil lojas virtuais espalhadas por todo o Brasil. Com tanta oferta, o consumidor pode se sentir perdido e não ter ideia de onde ou do que comprar.

Por isso, vem crescendo a quantidade de sites agregadores de lojas virtuais, a exemplo dos agregadores de sites de compras coletivas e descontos. Em apenas um endereço, o comprador encontra vários estabelecimentos, tipos de produtos e com preços variados. Após escolher, ele será encaminhado para vendedor do objeto ou serviço escolhido. Ou seja, o agregador não é responsável pela venda propriamente.

Um exemplo disto é o MuccaShop. No ar desde 2010, o site reúne mais de 200 lojas e oferece mais de 600 mil produtos, divididos entre vestuário, calçados e acessórios. Segundo um dos sócios do empreendimento Sandro Baumann, o agregador foi criado para facilitar a vida do usuário.

O consumidor pode ver uma variedade grande produtos de diferentes lojas em um só site. Segue o mesmo conceito de um shopping físico, para onde pessoas vão em busca de um tipo de produto ou à passeio, e tem à disposição um número grande de produtos, marcas e lojas”, explica Baumann.

Sites agregadores de lojas virtuais focam em nichos

Outro exemplo de site agregador é o I Love e-commerce, que reúne atualmente mais de 20 lojas virtuais e quase 6 mil produtos. Neste caso, o foco é exclusivamente no público feminino. São roupas, acessórios, produtos de beleza, objetos de decoração, livros, filmes e uma variedade de outros itens.

Nós sabíamos que muitas amigas não compravam online por não saber por onde começar. Elas não tinham medo em comprar, mas não conheciam sites que oferecessem uma grande variedade de produtos de qualidade”, explica a publicitária Mariana Villela Ribeiro, uma das sócias do empreendimento.

As amigas Bárbara Jalles Guimarães e Mariana Villela Ribeiro empreendedoras do site I Love E-commerce

E o trabalho dos agregadores não é só reunir lojas e produtos. O I Love conquista a clientela funcionando como um guia prático para o público feminino em suas compras pessoais. Como uma revista eletrônica com conteúdo editorial e linguagem atraentes, o site busca oferecer curadoria e praticidade.

A plataforma adota o modelo custo por clique (CPC). Assim, quando o usuário clica numa oferta é redirecionado para a página de compra do site que está vendendo o produto. O I Love recebe um determinado valor a cada clique.

 Agora são dos sites agregadores de lojas virtuais

O site é um guia, um caminho. Os produtos colocados à venda estão de acordo com a nossa opinião, pois temos uma formação em marketing e branding com foco na moda, mercado de luxo e construção de marcas”, conta Mariana.

Já o MuccaShop consegue atrair os clientes de outras formas. “Trabalhamos diversos canais, mas nossos principais focos são a publicidade online e as redes sociais”, revela Baumann.

Além de oferecer essa curadoria em moda, as sócias do I Love também estão preocupadas com a segurança dos compradores.

A maioria dos nossos parceiros são empresas consolidadas. Vamos atrás de informações da empresa, como há quanto tempo existe, por exemplo. Já cogitamos muito uma loja, mas conhecemos algumas pessoas que tinham tido problemas com esta plataforma e acabamos desistindo de incluí-la”, explica Mariana.

Enquanto isso, os administradores do MuccaShop, além de verificarem a credibilidade da loja virtual, também verifica a qualidades dos produtos disponibilizados e também do layout.

Fonte: Diário de Pernambuco

Agora são os sites agregadores de lojas virtuais
Avalie este artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here