A dura inclusão digital empresarial no e-commerce

A dura inclusão digital empresarial no e-commerce

A dura inclusão digital empresarial no e-commerceA cada R$ 100 movimentados no comércio eletrônico brasileiro, apenas R$ 20 são gerados pelas micro e pequenas empresas, apontam dados da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico. Apesar de representarem 98% dos negócios formais no país, essas empresas responderam cerca de 20% dos R$ 18,7 bilhões gerados pelo e-commerce no ano passado.

Além disso, segundo levantamento da Camara-e.net, as micro e pequenas empresas também sofrem para manter a loja virtual aberta, uma vez que 33,3% das lojas e empresas on-line encerram suas atividades antes de completarem o segundo ano de operação. Esse índice é 8.3 ponto percentual acima da taxa calculada pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) na mortalidade do comércio físico no país, que é de 25%.

Seja no mercado presencial ou virtual, o elevado grau de mortalidade se deve à baixa informação e profissionalismo. No entanto, no mundo on-line existe uma outra questão: a deficiência de know how tecnológico ou conhecimento das especificidades do comércio eletrônico para esses empreendedores.

E, é justamente esse último ponto que merece muita atenção, é preciso incluir a empresa digitalmente. Quando falamos em inclusão social digital, é um processo muitas vezes até simples, pessoas são instruídas de formas básicas a conviver no mundo digital. E, a partir daí, elas estão aptas a utilizar computadores, navegar na internet e até comprar no e-commerce.

Mas e quando esse processo de inclusão deve ser empresarial? Como ensinar tudo o que é preciso para o empreendedor? Passar todos os códigos e conhecimentos que um profissional demora anos para desenvolver? A resposta é clara, ou ele estuda para aprender ou ele cria o negócio dele.

Quando opta por levar sua empresa para a internet sem ter o conhecimento, ele encontra a barreira técnica, e fica à mercê de profissionais especializados e os altos custos para o desenvolvimento. Uma vez que os produtos encontrados no mercado sempre apresentam ares complexos e de extremo conhecimento técnico.

Então, quando encontrada essas barreiras e não transpostas essas dificuldades, a loja virtual morre, é abandonada, ou sequer ela chega a ser criada.

A grande verdade é que os desenvolvedores de tecnologia para e-commerce criam produtos e despejam no mercado. É preciso entender que o mundo físico e o mundo virtual é o mesmo. E a missão daqueles que desenvolvem tecnologia é conseguir unir ao máximo esses mundos.

No caso para as micro e pequenas empresas que querem entrar no e-commerce é preciso uma plataforma que ele consiga entender mesmo sem conhecimento técnico, que basta ele escolher o layout, cadastrar os produtos, definir os meios de pagamentos e colocar a loja para rodar, não dependendo de um técnico que entenda de linha de códigos para fazer isso.

E, quando mesmo com essa simplicidade de navegação e configuração amigável, também disponibilizar vídeos, dicas, conteúdo especial para aqueles que ainda tenham alguma dúvida. É o fator da humanização, é o mais próximo da união do mundo físico com o mundo on-line.

Com o fator humano, as empresas devem auxiliar essa transição, abrir a porta do e-commerce para as micro e pequenas empresas. Apresentar realmente um mercado em expansão que certamente pode gerar muitos frutos.

Por Walter Sabini Jr.

Avalie este artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here